Revista Egitania Sciencia - Volume 11 | ARTIGO

Título: EROSÃO HÍDRICA DOS SOLOS – FATOR DE DESERTIFICAÇÃO FÍSICA E HUMANA

Autor: António Canatário Duarte (acduarte@ipcb.pt), Victor Pissarra Cavaleiro (cavaleiro@ubi.pt) e Ana Paula Leite (anappleite@hotmail.com)

Publicação: Revista Egitania Sciencia - Volume 11

Resumo:
A erosão hídrica, com a consequente perda de solo, representa um custo para a agricultura já que significa perda de terra produtiva, nutrientes e matéria orgânica, bem como uma degradação ambiental dos recursos hídricos a jusante. Este ciclo de insustentabilidade levará, a prazo, a uma desertificação física dos lugares acompanhada de uma desertificação humana. É indispensável a compreensão do processo, a forma de influência de cada um dos fatores de que depende, para a adoção das medidas mais eficazes na sua prevenção. Este estudo decorre numa pequena bacia hidrográfica (190 ha), localizada no concelho de Idanha-a-Nova, onde foi instalado um dispositivo experimental adequado. A aleatoriedade do clima mediterrânico pode determinar anos com volumes de precipitação mais elevados a que correspondem maior número de eventos erosivos, e anos mais secos com a ocorrência de menor número de eventos erosivos, mas com potencial erosivo ampliado em alguns. Nesta análise de resultados concluímos sobre o enorme efeito protetor da vegetação ao compararmos a concentração de sedimentos no escoamento em dois eventos erosivos, correspondentes a condições de revestimento da bacia bastante diferentes. O escoamento superficial será mais ou menos potenciado, dependendo como se manifestam outros fatores que influenciam o processo erosivo, concretamente, a vegetação, o solo, a topografia do terreno, e as práticas culturais dos agricultores.

Palavras-chave: Erosão hídrica, solos, desertificação física, desertificação humana, clima mediterrânico




               INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA | Av. Dr. Francisco Sá Carneiro, 50 | 6300 - 559 Guarda | Tel.+351271220100 | Fax +351271222690