Revista Egitania Sciencia - Volume 20 | ARTIGO

Título: O USO DA ÁGUA NA AGRICULTURA EM PORTUGAL - PARTE I - EVOLUÇÃO DA AGRICULTURA DE REGADIO; ASPETOS SOCIAIS E INSTITUCIONAIS

Autor: António Canatário Duarte (acduartel@ipcb.pt)
Professor Adjunto da Escola Superior Agrária/Instituto Politécnico de Castelo Branco, Doutor em Agronomia pela Universidade de Córdoba (Espanha), Investigador do Centro de Estudos GEOBIOTEC (Polo da Universidade da Beira Interior).
Publicação: Revista Egitania Sciencia - Volume 20

Resumo:
Nas condições climáticas de Portugal, a agricultura de regadio tem uma importância indiscutível na estrutura da produção final agrária, já que permite fazer culturas com maior valor acrescentado que as tradicionais culturas de sequeiro. Pretende-se neste estudo fazer uma abordagem integrada da questão do uso da água na atividade agrícola, enquadrada nos constrangimentos e oportunidades de cariz social e institucional. No último meio século constatou-se um significativo aumento da eficiência no uso da água na agricultura, a que tem correspondido um elevado consumo de energia. Dos aproveitamentos hidroagrícolas estudados, constatase uma grande diversidade de esquemas de tarifação da água de rega, podendo o seu custo variar entre 77,4 e 556,8 €/ha para a cultura do milho. Note-se ainda que o custo da água de rega é, compreensivelmente, um fator que influencia, mas que não é determinante na taxa de adesão ao regadio. A taxa de adesão ao regadio dos aproveitamentos hidroagrícolas nacionais está condicionada por constrangimentos de natureza vária a que importa dar solução, ao mesmo tempo que devem ser promovidas medidas de incentivo.

Palavras-chave: Agricultura de regadio, aspetos sociais e institucionais, custo da água de rega, associações de regantes e beneficiários




               INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA | Av. Dr. Francisco Sá Carneiro, 50 | 6300 - 559 Guarda | Tel.+351271220100 | Fax +351271222690