Revista Egitania Sciencia - Volume 20 | ARTIGO

Título: AZEITE BIOLÓGICO: DA PRODUÇÃO AO CONSUMO

Autor: Paula Sofia Alves do Cabo (paulacabo@ipb.pt) ***, Alda Maria Vieira Matos (alda@ipb.pt) ****, António José Gonçalves Fernandes (toze@ipb.pt) *, Maria Isabel Barreiro Ribeiro (xilote@ipb.pt) **

Publicação: Revista Egitania Sciencia - Volume 20

Resumo:
A agricultura em Modo de Produção Biológico – MPB constitui uma atividade com elevado potencial, assumindo-se cada vez mais como uma oportunidade para o setor agrícola. O olival é uma das culturas com maior implantação no MPB, contudo, apesar da sua importância histórica, na última década, a área decresceu, o mercado nacional é ainda reduzido e a quebra verificada nos preços afeta a atratividade do setor. Este trabalho visa contribuir para o desenvolvimento da olivicultura em MPB em Portugal. Para tal, analisa a produção e consumo de azeite biológico, com base em dados estatísticos e informação primária, obtida através de um questionário aplicado a uma amostra não-probabilística de potenciais consumidores residentes na cidade de Bragança. A agricultura em MPB representa, atualmente, cerca de 6% da Superfície Agrícola Útil – SAU, sendo que, em 2014, a olivicultura em MPB ocupava 19 000 hectares, distribuídos por 1 400 produtores. O Alentejo é a região onde se encontra a maior área de olival biológico (44% da área e 25% dos agricultores) e Trás-os-Montes é a região com o maior número de operadores (32% da área e 39% dos agricultores). Na última década, apesar do crescimento de cerca de 84% do número de operadores, a área total dedicada ao olival em MPB decresceu cerca de 16%. A análise do consumo salienta que existe, ainda, grande potencial de crescimento para este tipo de produtos. Os resultados revelam que a maioria dos inquiridos não é consumidora de azeite biológico, embora grande parte pretenda vir a sê-lo. Adicionalmente, a esmagadora maioria (84,2%) considera que a procura deste produto aumentaria se o preço fosse menor. O estudo do comportamento do consumidor revela ainda que o fator saúde prepondera sobre o fator ecológico. Assim, na comunicação com o consumidor, os agentes da fileira deverão apostar nos benefícios para a saúde do consumo deste produto e no desenvolvimento de uma maior consciência ecológica dos consumidores.

Palavras-chave: Azeite, Modo de Produção Biológico, Produção, Consumo




               INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA | Av. Dr. Francisco Sá Carneiro, 50 | 6300 - 559 Guarda | Tel.+351271220100 | Fax +351271222690