Revista Egitania Sciencia - SIEFLAS Edição Especial | ARTIGO

Título: O EFEITO DE DIFERENTES NÍVEI S DE ATIVIDADE FÍSICA NA FUNÇÃO COGNITIVA E DEPRESSÃO EM IDOSOS BRASILEIROS

Autor: Edivana Almeida*(edivana_aguiar@yahoo.com.br)* Isabel Mourão**(mimc@utad.com)* Eduarda Coelho***(ecoelho@utad.pt)*
*Edivana Almeida (PhD). Professora da Universidade Aberta a Terceira Idade (UATI) da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Psicóloga do Centro de Convivência do Idoso (CCI) do Hospital Naval de Salvador (HNSal) da Marinha do Brasil. **Isabel Mourão (PhD). Professora Associada, aposentada do Departamento de Ciências do Desporto, Exercício e Saúde da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro - UTAD. Investigadora do Centro de Investigação em Desporto, Saúde e Desenvolvimento Humano (CIDESD), UTAD, Vila Real, Portugal. ***Eduarda Coelho (PhD). Professora do Departamento de Ciências do Desporto, Exercício e Saúde da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro - UTAD. Investigadora do Centro de Investigação em Desporto, Saúde e Desenvolvimento Humano (CIDESD), UTAD, Vila Real, Portugal.
Publicação: Revista Egitania Sciencia - SIEFLAS Edição Especial

Resumo:
O objetivo deste estudo foi verificar o efeito de diferentes níveis de atividade física na função cognitiva e depressão em idosos. Método: Participaram 465 idosos brasileiros voluntários de ambos os sexos, praticantes e não praticantes de diferentes programas de atividade física (69,93 ± 6,63 anos), divididos em 4 grupos conforme critérios do International Physical Activity Questionnaire (IPAQ): idosos ativos, insuficientemente ativos A, insuficientemente ativos B e sedentários. Para verificar possíveis declínios da função cognitiva, utilizou-se o Mini Exame do Estado Mental (MEEM) e para verificar a intensidade da depressão, o Inventário de Depressão de Beck (BDI-II). A recolha dos dados ocorreu em 3 momentos avaliativos distintos (avaliação inicial, avaliação intermédia e avaliação final) ao longo de 35 semanas. Resultados: Para a função cognitiva foi encontrado um efeito significativo dos diferentes níveis de atividade física na avaliação intermédia e na avaliação final (p=0.000). Para a depressão, os resultados indicaram um efeito significativo dos diferentes níveis de atividade física nos 3 momentos avaliativos (p=0.000). Os resultados nos permitem concluir que a prática regular de atividade física moderada demonstrou melhorias na função cognitiva e depressão de idosos brasileiros.

Palavras-chave: Idosos; Função Cognitiva; Depressão; Níveis de atividade físicas




               INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA | Av. Dr. Francisco Sá Carneiro, 50 | 6300 - 559 Guarda | Tel.+351271220100 | Fax +351271222690