Revista Egitania Sciencia - Volume 25 | ARTIGO

Título: FORMAÇÃO EM ENFERMAGEM E IDENTIDADE PROFISSIONAL: TRAÇOS SOCIAIS, ACADÉMICOS, PERCEÇÕES E ATRIBUTOS LIGADOS À PROFISSÃO

Autor: Maria Helena Pimentel (hpimentel@ipb.pt), Carlos Miguel Figueiredo Afonso (carlos.afonso@ipb.pt), Ana Margarida P. Caetano Monteiro (anamargaridamonteiro44@gmail.com)

Publicação: Revista Egitania Sciencia - Volume 25

Resumo:
Questiona-se em que medida a formação em enfermagem poderá contribuir para a renovação das representações e da identidade profissional. Objetivo: identificar uma tipologia de estudantes de enfermagem de acordo com os seus traços sociais, académicos, perceções e atributos ligados à profissão.
Metodologia: Aplicou-se um questionário a 224 estudantes de enfermagem, a totalidade dos alunos do 1º ano (176) e do 4º ano (48), sendo excluídos os restantes. Foi aplicada a Resilence Scale (RS) Wagnilg e Young (1993), validada para a população portuguesa por Ferreira de Carvalho e Pereira (2012) e a Escala de Satisfação com o Suporte Social (ESSS) (Pais Ribeiro, 1999). Com base nas dimensões desta última escala, procedeu-se à análise de clusters através do método de Ward.
Foram também realizados testes estatísticos para comparar os grupos em diferentes indicadores. Resultados: Da análise de clusters realizada, obteve-se uma solução de agrupamento de 3 grupos: “ devotos blindados socialmente”, “devotos com menos suporte social” e “os que querem mudar”.
Conclusão: As atitudes e afinidade em relação à enfermagem como profissão é produzida pela articulação das trajetórias individuais, sendo que o suporte social é um elemento diferenciador neste âmbito, tendo influência na sua resiliência e perceções. Ao invés, a formação em enfermagem não se revelou decisiva na afirmação da identidade profissional.


Palavras-chave: resiliência, suporte social, formação em enfermagem, identidade profissional




             POLITÉCNICO DA GUARDA | Av. Dr. Francisco Sá Carneiro, 50 | 6300 - 559 Guarda | Tel.+351271220100 | Fax +351271222690