Revista Egitania Sciencia - Volume 8 | ARTIGO

Título: PREVALÊNCIA DA AUTOMEDICAÇÃO NA REGIÃO DE BRAGANÇA: A PERSPECTIVA DO CONSUMIDOR E DO FARMACÊUTICO

Autor: Dayana Barina Simões Martins, Sara Margarida Pereira do Couto, Maria Isabel Barreiro Ribeiro (xilote@ipb.pt) e António José Gonçalves Fernandes

Publicação: Revista Egitania Sciencia - Volume 8

Resumo:
Analisar a prevalência da automedicação na população de Bragança e identificar os factores associados a este fenómeno são os principais objectivos desta investigação. Para estudar esta problemática foi feita uma amostragem aleatória simples considerando um nível de confiança de 95% e um erro amostral estimado em 2,5%. Dos 400 participantes neste estudo, a maioria é do género feminino, tem em média 34 anos de idade, reside na cidade e possui habilitações literárias ao nível do 12º ano. Igualmente, a maioria dos farmacêuticos é do género feminino e tem, em média, 33 anos de idade. Verificou-se que a taxa de prevalência da automedicação é de 91,3% e provou-se existirem diferenças estatisticamente significativas entre os géneros na prática deste fenómeno no que diz respeito ao alívio de cólicas e dores musculares. Por outro lado, o recurso à automedicação para o alívio do nervosismo e a duração desta prática é também estatisticamente diferente entre classes etárias. As situações em que o utente recorre à automedicação com maior frequência são, designadamente, gripe/constipação, cefaleia e febre. Os medicamentos mais consumidos em situações de automedicação são os analgésicos/antipiréticos e os anti-inflamatórios.

Palavras-chave: automedicação; prevalência; utente; farmacêutico; Bragança




               INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA | Av. Dr. Francisco Sá Carneiro, 50 | 6300 - 559 Guarda | Tel.+351271220100 | Fax +351271222690